Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Unilever planeja mudar permanentemente seu marketing para o digital Postado em: 27/07/2020
Vendas no comércio eletrônico cresceram 49% no primeiro semestre e 62% no segundo trimestre  
A Unilever pretende aumentar rapidamente o marketing em plataformas digitais até o final de 2020 e se afastará da mídia tradicional, pois as vendas de comércio eletrônico cresceram quase 50% durante a primeira metade de 2020. Essa mudança é permanente, pois não se espera que os consumidores abandonem as compras online uma vez social as regras de distanciamento são suspensas, disse o CEO Alan Jope. A Unilever espera colocar "investimentos significativos" em campanhas e inovações de marca adaptadas à pandemia de coronavírus no segundo semestre do ano, disse o CFO Graeme Pitkethly em um call que discutiu os resultados do primeiro semestre com investidores. O retorno aos gastos ocorre depois que a gigante da CPG manteve-se deliberadamente fora da mídia no segundo trimestre, ao enfrentar desafios relacionados ao coronavírus, levando os gastos de marca e marketing a diminuir em 100 pontos base, disse Pitkethly. Embora alguns negócios da Unilever, como o consumo fora de casa, tenham sido atingidos, áreas como o comércio eletrônico estão crescendo. O comércio eletrônico representou 8% do total de negócios da Unilever no primeiro semestre de 2020, comparado a 6% no período do ano anterior. As vendas no comércio eletrônico cresceram 49% no primeiro semestre e 62% no segundo trimestre, afirmou o CEO Alan Jope. O impulso ocorreu quando as marcas foram ajustadas às tendências relacionadas à pandemia. A linha de alimentos e bebidas Knorr, por exemplo, realizou uma campanha digital de inspiração de receitas no site da Recipedia, à medida que mais pessoas cozinhavam em casa. O esforço ajudou a impulsionar as conversões on-line e o crescimento das vendas de comércio eletrônico de dois dígitos, de acordo com Jope. Fonte: Marketing Dive

Google move-se para aumentar participação no comércio eletrônico
Com o coronavírus enviando mais compradores para o mundo online, o Google, após várias tentativas fracassadas no passado, está novamente tentando aumentar sua participação no mercado de comércio eletrônico. A questão é: isso funcionará desta vez? A gigante de buscas anunciou na quinta-feira, 23/7, que reduzirá as taxas de comissão para os comerciantes que participam do programa Buy on Google, que permite aos consumidores pesquisar e fazer check-out de produtos diretamente em sua plataforma, sem ser direcionado para as páginas dos varejistas. O Google também disse que está abrindo sua plataforma para fornecedores terceirizados, começando com PayPal e Shopify, para oferecer aos varejistas mais opções. Nos últimos meses, a gigante dos mecanismos de pesquisa também tornou livre para os varejistas listarem produtos no Google Shopping nos EUA, além de trazer essas listagens gratuitas para a Pesquisa do Google. Essas ofertas podem ajudar o Google a atrair mais vendedores, mas especialistas não acreditam serem suficientes para tirar os consumidores da Amazon. Fonte: Forbes

McKinsey: como os profissionais de marketing podem se ajustar ao novo consumidor
A pandemia teve um efeito significativo nos hábitos do consumidor, o que exigirá ajustes substanciais de marketing, afirmam os executivos da McKinsey. Eles mergulharam profundamente na mudança dos padrões dos consumidores e instam os profissionais de marketing a "reimaginar e modernizar seus playbooks", reorientando suas estratégias, criatividade e conteúdo, ativação de mídia e iniciativas de experiência do cliente. Segundo eles, há seis mudanças potencialmente importantes no comportamento do consumidor. Algumas são acelerações significativas das tendências existentes, outras estão surgindo agora. Eles também apresentaram sugestões de como os profissionais de marketing podem começar a responder a elas. Não pretende ser uma lista exaustiva, mas acham que suas implicações para os profissionais de marketing justificam uma consideração cuidadosa e uma ação ponderada: 1. Compras: acompanhando a grande migração digital para expandir as fronteiras digitais; 2. Serviços eletrônicos: novas ´plataformas de serviço´ para ajudar os consumidores a cuidar dos negócios; 3. Página inicial: como encontrar um lugar na nova "central de comandos" para todas as atividades; 4. Comunidade: tornando as experiências mais locais; 5. Confiança: Criando um espaço para saúde e acessibilidade; 6. Objetivo: Manter as marcas em padrões mais elevados. Ainda segundo eles, os profissionais de marketing precisam de um "novo manual" para obter sucesso nos mercados alterados pelo COVID. O novo manual deve ser orientado por respostas às perguntas mais importantes: Como a visão e a estratégia da marca devem ser adaptadas às tendências emergentes e às demandas dos clientes? Quão bem você conhece seus clientes em um nível significativo de segmento? Quais recursos de análise você tem para não apenas identificar oportunidades, mas agir rapidamente sobre elas? Que tipo de relacionamento de trabalho o CMO precisará estabelecer com o CEO, o CIO, o CFO e o restante do C-suite, para que o marketing reinventado conduza a um crescimento real dos negócios? Como a personalização pode impulsionar o próximo pedido de experiência do cliente em um ambiente cada vez mais sem fronteiras (casa, lojas, serviços locais, globais)? Quais canais e mensagens são mais eficazes para alcançar e influenciar os consumidores ao longo de sua jornada de decisão? Como os preços, produtos e serviços podem ser personalizados para atender às novas necessidades? Como seu modelo organizacional e operacional precisará mudar para ser rápido e flexível o suficiente para atender aos consumidores onde eles estarão? Embora ninguém saiba como serão os contornos exatos do próximo normal, sabemos que as coisas não voltarão ao que eram antes. Os profissionais de marketing precisarão monitorar sistematicamente tendências e indicadores, se comprometer com mudanças ousadas na estratégia e investimentos de marketing e criar agilidade na organização para o mundo que surgir. Fonte: McKinsey
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2020 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia