Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Realidade Aumentada é ferramenta de marketing cada vez mais viável Postado em: 18/11/2019
Experiências podem ser "futuristas", "realistas" ou "escapistas", mas tecnologia caminha para se firmar "independentemente do objetivo"
Em março, o eMarketer estimou que em 2019, 68,7 milhões de clientes nos EUA usarão realidade aumentada pelo menos uma vez por mês. E este ano, muitas marcas aproveitaram a oportunidade para aprimorar suas experiências de usuário com a tecnologia avançada. Se as previsões estiverem corretas, até o final de 2022, o número de usuários móveis de AR chegará a 3,5 bilhões em todo o mundo, o que dará às marcas acesso a um público extremamente amplo e as ajudará a gerar um alto volume de leads qualificados. O mundo já viu muitas campanhas inovadoras de realidade aumentada: da vitrine pop-up de AR da Net-A-Porter à recente experiência de maquiagem Disney e YouTube AR para a implantação de Maleficent: Mistress of Evil e o mais recente loco de anúncios de AR para celular da Panera Bread b que permite que os clientes alternem um item de menu e compartilhem nas mídias sociais. Outra grande vantagem - a tecnologia está amadurecendo rapidamente, e todos os principais gigantes da tecnologia - Apple, Facebook e Google - investiram pesadamente em AR em 2019. Apesar de tudo isso, ainda existem muitas incertezas em torno da AR e seu futuro no marketing. Para ajudar os profissionais de marketing a entender como o público consome experiências imersivas, Rene Amador, CEO da empresa de tecnologia AR ARwall, divide essas experiências em três modos. O primeiro modo, ele explica, é "futurista", onde o público-alvo são aqueles que buscam tipos de experiências futuristas. Os consumidores ávidos de mídia e tecnologia estão mais interessados em saber como a experiência explora ou exibe seu potencial futurista e de entretenimento. Os filtros Snapchat e Spark AR são um exemplo perfeito de modos futuristas de AR. O segundo modo é "realista", provavelmente como a maioria do conteúdo de RA é atualmente consumida para educação ou treinamento. Aqui, o objetivo é fornecer conteúdo informativo. O sucesso, nesse caso, geralmente é definido pelo recall de informações, que é apropriado no ambiente empresarial, industrial ou educacional. O terceiro modo é "escapista", que é semelhante ao que esperamos do cinema. Você se perde na ação na tela e começa a se identificar com a história e seus personagens como se fossem sua realidade. Nessas experiências, o conteúdo em si se torna muito mais vital, e uma campanha escapista de sucesso exige a execução de uma experiência técnica e artística que ofereça história, fidelidade e desempenho. De acordo com Amador, o modo "futurista" é a escolha mais segura no marketing no momento. Ele também prevê que a tecnologia da AR em breve se tornará flexível o suficiente para ser "independente do objetivo". Fonte: A-List

TikTok seleciona usuários para testar ferramentas de comércio eletrônico
O TikTok está se movimentando para se tornar mais uma plataforma de comércio social com o anúncio de que permite que usuários selecionados incorporem links a destinos de comércio eletrônico em seus perfis e permite que os criadores enviem vídeos para compras no aplicativo. "Estamos sempre experimentando novas maneiras de melhorar a experiência do aplicativo para nossos usuários" e queremos "inspirar criatividade" e "agregar valor à nossa comunidade", diz um porta-voz da empresa-mãe da TikTok, ByteDance. Fonte: TechCrunch

Instagram sem likes pode aumentar o comércio social e a medição de varejo
Desde que o Instagram lançou seu recurso Checkout no início deste ano, as marcas começaram a vincular o conteúdo dos influenciadores às ferramentas de compras como uma maneira de impulsionar -- e medir -= as vendas diretas. Com a plataforma ocultando os likes, os profissionais de marketing de influência podem ser forçados a olhar além das "métricas de vaidade" para obter ferramentas de medição mais avançadas, incluindo o comércio social e o comportamento de compra na loja. Além de ocultar curtidas para usuários selecionados dos EUA, o Instagram também oculta curtidas da exibição pública para usuários selecionados na Austrália, Brasil, Canadá, Irlanda, Itália, Japão e Nova Zelândia. Até agora, a empresa não divulgou as conclusões do teste nem indicou que a remoção de curtidas será permanente. Fonte: eMarketer
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia