Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Problemas de ética de dados criam campos minados para analistas Postado em: 09/08/2019
As organizações precisam mapear limites éticos para aplicações de mineração de dados e análise, de acordo com participantes de uma mesa redonda sobre dados e ética.
As tecnologias de inteligência artificial e outras ferramentas avançadas de análise facilitam a identificação de informações potencialmente valiosas por clientes, pacientes e outras pessoas pelos analistas de dados. Mas, muitas vezes, disse o consultor Donald Farmer, iretor da consultoria de análise TreeHive Strategy, as organizações não se fazem uma pergunta ética básica antes de lançar um projeto de análise: nós deveríamos fazer isso? Na era do GDPR e das leis de privacidade com a mesma mentalidade, ignorar a ética dos dados não é uma boa prática comercial para as empresas, alertou Farmer em uma discussão de mesa redonda que liderou no 2019 Pacific Northwest BI & Analytics Summit. As equipes de TI e de análise precisam ser guiadas por uma estrutura de regras de ética e motivadas pela administração para colocar essas regras em prática, disse ele. Caso contrário, uma empresa corre o risco de cruzar a linha ética e usar dados pessoais -- não como resultado de um plano nefasto para fazê-lo, de acordo com Farmer. "Não é que a maioria das pessoas seja desonesta -- elas são levadas cegamente às coisas", disse ele, acrescentando que os aplicativos de análise geralmente têm "consequências imprevistas". Por exemplo, ele observou que as smartTVs conectadas a redes domésticas podem monitorar se as pessoas assistem aos anúncios em programas que gravaram e acessam o site de um anunciante. Mas agir com base nessas informações para fins de marketing pode parecer assustador para alguns possíveis clientes, disse ele. Ficar do lado certo da linha ética dos dados exige mais do que publicar um código de ética corporativo para os funcionários seguirem, disse Farmer. Ele citou o código de ética de 64 páginas da Enron, que não impediu a empresa de energia de se engajar no infame esquema de fraude contábil que levou à falência e à venda de seus ativos. Da mesma forma, ele vê esses códigos tendo pouco efeito na prevenção de erros éticos em análises. "Apenas ter um código de ética não faz absolutamente nada", disse Farmer. "Pode até atrapalhar as boas práticas éticas, porque as pessoas simplesmente apontam para isso [e dizem]: ´Nós cobrimos isso´". Em vez disso, ele recomendou que os gerentes de TI e análise adotassem uma abordagem baseada em regras para a ética de dados que pode ser aplicada a todas as três fases de projetos de análise: o processo de pesquisa inicial, design e desenvolvimento de aplicativos de análise e implantação e uso dos aplicativos. Fonte: TechTarget

Pesquisa: consumidores tornam-se mais propensos a usar inteligência artificial ao interagir com os varejistas49% dos consumidores norte-americanos entrevistados pela empresa de análise de rastreamento e análise de chamadas Invoca e The Harris Poll disseram confiar em consultoria gerada por Inteligência Artificial quando aplicada à categoria de varejo -- mais do que qualquer outra categoria analisada. Uma porcentagem menor (38%) disse que confiaria em consultoria automatizada para serviços de hospitalidade, enquanto menos entrevistados disseram o mesmo para serviços de saúde (20%) e serviços financeiros (19%). Uma pesquisa de abril de 2019 da Drift, uma empresa de serviços do chatbot, encontrou descobertas semelhantes ao analisar o engajamento do chabot. Aproximadamente quatro em cada 10 usuários de internet dos EUA disseram que usaram chatbots para interagir com varejistas de alguma forma ou moda. Em comparação, menos de um quarto dos consumidores recorreram aos chatbots para serviços como serviços de saúde, serviços públicos, entretenimento e serviços financeiros. Fonte: eMarketer

Um ano atrás, o Interpublic Group comprou a Acxiom; os motivos começam a ficar mais claros
Um ano após o Interpublic Group ter anunciado sua aquisição de US$ 2,3 bilhões da Acxiom, uma imagem mais clara do que a compra fará pela holding está começando a surgir. Até agora, o IPG se concentrou no uso dos recursos de dados da Acxiom em suas agências de mídia, equipes integradas e treinadas sobre como usar os dados e reformulou algumas de suas posições de liderança na Acxiom e em suas agências. Atualmente, a holding está trabalhando para criar novos produtos   baseados em dados e apresentá-los ainda este ano. Ao mesmo tempo, o IPG está descobrindo como usar o Acxiom em suas outras ofertas de agência.Embora a oferta de dados possa ser atraente para os clientes e um bom ajuste para as agências de mídia, o verdadeiro desafio será quando a IPG começar a colocar a Acxiom e suas agências de criação juntas, segundo analistas. "O maior desafio na maioria das empresas é desenvolver insights úteis baseados nesses dados", disse Allen Adamson, consultor da marca e co-fundador da Metaforce. "As pessoas estão coletando montanhas de dados. Você pode descobrir exatamente quando alguém vai escovar os dentes e que pasta de dente eles estão usando, mas você só consegue, "E daí?" O truque é levar as pessoas que podem olhar para os dados e dizer isso é o que está acontecendo e é isso que significa. Nos últimos cinco anos, os clientes e as agências se concentraram na aquisição de novas tecnologias para ajudar no marketing. Mas o foco na tecnologia, e não a criatividade, impactou negativamente a diferenciação das marcas no mercado. Como será a aquisição de uma oferta de dados como a Acxiom ao lidar com o foco renovado na privacidade e nas várias leis, como GDPR e CCPA, bem como o trabalho do Google e da Apple para fechar janelas de cookies, ainda precisa ser visto, mas acredita-se que o foco na privacidade é um argumento para possuir esses dados. Fonte: Digiday Daily
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia