Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Aos 25 anos, a Amazon não está mostrando sinais de envelhecimento Postado em: 11/07/2019
O que começou como varejista de livros online hoje abrange assinaturas de assinaturas, lojas físicas, mantimentos para venda, seus próprios dispositivos inteligentes e um sistema de entrega que pode levar as coisas para os clientes em apenas uma hora
"Não há garantia de que a Amazon.com possa ser uma empresa de sucesso. O que estamos tentando fazer é muito complicado", disse Jeff Bezos em 1999, apenas cinco anos após o lançamento da empresa on-line. O fato de o fundador da empresa estar tão incerto quanto ao futuro parece surpreendente. Hoje, 25 anos depois de ter começado, a Amazon é uma das empresas públicas mais valiosas do mundo, e Mr. Bezos é agora o homem mais rico do mundo, graças à sua invenção. O que começou como um varejista de livros online se tornou uma gigante global, com assinaturas de assinaturas, lojas físicas, mantimentos para venda, seus próprios dispositivos inteligentes e um sistema de entrega que pode levar as coisas para os clientes em apenas uma hora. A inovação da Amazon pode ser claramente vista em seus resultados financeiros. No ano passado, tornou-se a segunda empresa pública do mundo a ser avaliada em US $ 1 trilhão, depois da Apple, e tem a segunda maior avaliação de mercado do mundo, depois da Microsoft. O enorme sucesso do gigante online também é evidente em sua receita. Espera-se que as vendas atinjam os US$ 275,06 bilhões até o final deste ano, com previsões sugerindo que as receitas poderiam ultrapassar US$ 320 bilhões até o final de 2020. O sucesso de Bezos foi impulsionado pela expansão global da empresa, mas principalmente pela expansão em uma ampla variedade de outros setores. Serviços e dispositivos de streaming de vídeo, serviços em nuvem e mais recentemente mantimentos (com a aquisição da Whole Foods Market) permitiram à empresa competir diretamente com gigantes da tecnologia como Facebook, Apple, Google e Netflix. Fonte: BBC

Estudo: 31 milhões de pessoas devem comprar via smart speakers este ano
Uma nova previsão diz que 31 milhões de pessoas nos EUA comprarão através de alto-falantes inteligentes este ano -- um aumento de 32% em relação ao ano anterior. Até 2021, o número de compradores via smart speakers crescerá para 38 milhões, de acordo com o relatório da eMarketer. No estudo, "compras" são definidas como navegar, pesquisar produtos e adicionar itens a um carrinho de compras. A compra real via alto-falantes inteligentes chegará a 21 milhões de pessoas este ano, com a maioria das compras envolvendo mídia eletrônica, como filmes ou música, de acordo com a eMarketer, que não vê sinais de desaceleração no mercado de alto-falantes inteligentes. Os proprietários desses equipamentos executam uma série de atividades de compras , incluindo pedidos de filmes, programas de TV ou música (21%), navegação de produtos (15%), recomendações de produtos (15%), reordenando um produto adquirido anteriormente ), adicionando produtos a um carrinho de compras (13%), pedidos de mantimentos ou itens domésticos (8%) e pedidos de dispositivos eletrônicos (7%).Uma pesquisa anterior da Sumo Heavy descobriu que mais da metade (55%) dos consumidores planejam não usar assistentes de voz para compras futuras. Esse número deve cair com o tempo. Fonte: Media Post Connected Thinking

A ascensão do qCPM traz mais qualidade para a compra programática
Os anúncios com preços mais baixos nem sempre oferecem os melhores resultados, especialmente para campanhas de branding digitais. Dessa forma, os compradores de anúncios estão migrando do CPM para um CPM de qualidade (qCPM). O qCPM conta somente as impressões que podem ser visualizadas, com entrega no destino, frequência ideal e em ambientes seguros para marca. Ao analisar os fatores de desempenho além do custo, os compradores de anúncios podem ter uma visão mais sutil do desempenho e descobrir se as campanhas realmente atingiram as metas dos clientes. O qCPM também realinha incentivos, incentivando os compradores a comprar anúncios que não são apenas de baixo custo, mas também de alta qualidade. Entre os players que elogiam o qCPM estão a agência Adlicious, da Hearts & Science, Essence, da Europa, e a Adelaide, empresa de tecnologia Parsec Media, que licencia sua tecnologia para marcas e agências. Todos os quatro usam o qCPM para avaliar o desempenho da campanha. Adelaide e Adlicious também usam isso para otimizar campanhas em andamento. A métrica qCPM -- que também é conhecida como CPM com valor (VCPM) ou custo por impressão valiosa (CPvM) -- ajudou a aumentar os orçamentos programáticos e afastar os clientes de fraudes. Os qCPMs surgiram pela primeira vez em 2014, o mesmo ano em que a crise de fraudes de anúncios atingiu uma febre e a WhiteOps estimou que 23% de todas as impressões de vídeo eram fraudulentas. Desde então, os qCPMs contribuíram silenciosamente para a diminuição da fraude em anúncios digitais. À medida que a métrica amadurece, os primeiros adeptos do qCPM estão vendo benefícios e aplicativos além da medição e otimização -- como usá-lo para aquisição. Fonte: AdExchanger 
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia