Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Facebook libera software que vai facilitar programação de robôs Postado em: 24/06/2019
O PyRobot não é, na verdade, um sistema operacional em si, mas um tipo de camada acima do sistema operacional Robot, ou ROS
Qualquer um que lhe diga que o apocalipse do robô está proximo -- as máquinas não vão parar de roubar nossos empregos, elas estão se preparando para nos perseguir pelas ruas e a lutar contra humanos empunhando bastões -- nunca tentou programar um robô. É muito difícil fazer com que uma máquina consiga mover um braço, pois exige o controle preciso e a coordenação dos ângulos de articulação e de torque. A dificuldade de programar robôs é um problema que o Facebook, de todas as empresas, quer consertar. Na quinta, 20/6, a rede social anunciou um novo framework robótico, conhecido como PyRobot, que pode simplificar a maneira como os pesquisadores programam suas máquinas, e tornar mais fácil para os tipos não robóticos entrarem em campo. Se os robôs de programação têm sido, até o momento, algo como percorrer uma interface de linha de comando, o PyRobot promete ser como navegar pela suavidade do macOS. Pelo menos, essa é a esperança: muitos outros tentaram e falharam em fazer esse tipo de coisa.O PyRobot não é, na verdade, um sistema operacional em si, mas um tipo de camada acima do sistema operacional Robot, ou ROS, que é onipresente na pesquisa de robótica. Simplificando, o ROS é uma plataforma que permite aos pesquisadores controlar todos os aspectos de um robô, seja sensores ou articulações. Ele funciona em muitos tipos diferentes de robôs, fazendo uma grande variedade de coisas. Mas os pesquisadores ainda podem se atolar nos detalhes granulares necessários para controlar um robô usando ROS.Com o PyRobot, um roboticista pode escrever um código simples em Python para comandar uma máquina, que a plataforma traduz em instruções mais complexas dos que o que o ROS exige. Fonte: Wired

T-Mobile atualiza app para carros conectados
Enquanto muitas entidades empresariais estão buscando o desenvolvimento de veículos autônomos, as conexões reais nos carros virão bem antes da plena autonomia.
Um exemplo disso é o Syncup Drive atualizado da T-Mobile, um recurso de carro conectado compatível com muitos carros que já estão na estrada. O aplicativo mostra preços de gasolina em estações próximas e fornece em um painel uma visão geral da condição do carro, com ícones coloridos para priorizar o que precisa primeiro de atenção e um porta-luvas virtual que armazena uma cópia digital dos registros de seguro, registro e manutenção. O recurso Syncup Drive transforma um carro em um ponto de acesso móvel com Wi-Fi no veículo, ajuda a localizar a localização do carro quando estacionado e analisa o comportamento de direção. Como outros sistemas semelhantes, este se conecta à porta de diagnóstico a bordo do carro, um recurso padrão na maioria dos carros fabricados depois de 1996. Fonte:MediaPost AI&IoT Daily

Nenhuma marca é ´muito chata´ para o social: 3 exemplos
Se você tem uma marca forte, uma boa compreensão de seus clientes e um pouco de tolerância ao risco, sua marca "sem graça" pode usar as mídias sociais com a mesma eficiência que as favoritas dos fãs que vêm à mente naturalmente. São os mesmos fundamentos que tornam qualquer marca interessante em qualquer meio. 1. Conheça sua marca. No caso da Maytag,marca de eletrodomésticos da Whirpool, já existia um personagem -- The Maytag Man -- que dá vida ao espírito de confiança que a Maytag representa. Maytag também tem um período promocional anual conhecido em maio ("May Is Maytag Month"). Então marca criou um meme -- It´s Gonna Be May -- com um videoclipe estrelado pelo próprio Maytag Man. Um uso inteligente de um trending topic? Sim, mas mais importante, um que se encaixasse perfeitamente nos ativos da marca e coincidisse com o fato de eles terem algo a dizer. 2. Conheça o seu público. A WeWork, espaços de coworking convenientes e agradáveis, conversa é realmente com as pessoas a quem serve: jovens profissionais independentes, altamente motivados e não convencionais, que levam suas carreiras a sério, mas forjaram seus próprios caminhos o caminho todo. Todo o seu conteúdo social fala e celebra esse público. Ver um post do WeWork lembra as pessoas, todas as vezes, que elas são o tipo de pessoa que trabalha em um espaço do WeWork. 3. Seja ousado. A TSA, agência do governo americano encarregado de segurança em transportes. resolveu falar abertamente sobre o seu trabalho diário, respondendo pacientemente a perguntas sobre regulamentos de viagens aéreas. Tem uma playlist inteira do YouTube chamada "They Brought What?", dedicada a mostrar as coisas mais estranhas que as pessoas tentam levar nos aviões. É inesperado, é divertido e funciona tanto para educar os viajantes quanto para criar a credibilidade da agência. Sua vontade de se envolver é surpreendente e fascinante. Em resumo, às vezes, uma categoria é de "baixo interesse" apenas porque não oferecemos às pessoas motivos legítimos suficientes para se interessar. Não há atalhos fáceis - mas há ótimas ideias para descobrir se fizermos o trabalho. Fonte:MediaPost The Marketing Insider
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia