Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Apple anuncia: "está na hora do show" Postado em: 12/03/2019
Empresa já investiu US$ 2 bi em Hollywood
Na segunda-feira, 11/3, a Apple convidou a mídia para um evento no próximo dia 25 no Steve Jobs Theater em seu campus em Cupertino, Califórnia, onde deve lançar um serviço de televisão e vídeo. Fontes disseram à Reuters que a empresa pretende lançar em abril um serviço que provavelmente incluirá o serviço de TV por assinatura. A Apple geralmente lança produtos e serviços nas semanas seguintes a um evento. Em seu convite, a Apple não especificou o foco do evento e deu uma descrição de linha única: "É hora do show". A empresa há muito insinua que tem um serviço de vídeo planejado, tendo investido US$ 2 bilhões em Hollywood para produzir seu próprio conteúdo e contratar grandes estrelas como Oprah Winfrey. Fontes próximas ao assunto disseram à Reuters que o serviço pode revender assinaturas da CBS, da Viacom e da Starz, entre outras, além do conteúdo original da própria Apple. Espera-se que o serviço de TV seja lançado globalmente, para concorrer com a Netflix e o Prime Video da Amazon.com. A App Store da Apple, onde o serviço provavelmente será distribuído, está atualmente disponível em mais de 100 países. Fonte: RawStory

MWC: chefão da CNN expressa "profunda preocupação" com o poder crescente de Google e Facebook
O presidente da CNN, Jeff Zucker, disse nessa segunda, 11/3, durante o SXSW, que não entende o motivo pelo qual os reguladores analisam as grandes corporações na indústria de telecomunicações e mídia quando se trata de seu poder crescente, mas não empresas de tecnologia como o Facebook ou o Google. "Todo mundo está olhando para saber se essas fusões de AT&T e Time Warner ou Fox e Disney obtêm a aprovação do governo, o fato é que ninguém, por algum motivo, está olhando para esses monopólios que são o Google e o Facebook", disse Zucker durante uma palestra no Mobile World Congress, em Barcelona. "É onde o governo deveria estar procurando e ajudando a garantir que todos os outros sobrevivam. Acho que esse é provavelmente o maior problema que o crescimento do jornalismo enfrenta nos próximos anos ". Ele argumenta que os gigantes da tecnologia acima mencionados estão causando dores de cabeça para as organizações de mídia digital por causa de sua participação dominante e coletiva (e expansão) no mercado de anúncios online. "Em um mundo com Google e Facebook, a monetização do digital e do celular continua sendo mais difícil do que esperávamos ou gostávamos", continuou Zucker. "Acho que precisamos da ajuda do mundo da publicidade e do mundo da tecnologia para encontrar novas formas de monetizar o conteúdo digital, caso contrário, o bom jornalismo desaparecerá." O líder da CNN não é o único magnata da mídia a expressar seu desgosto pelo duopólio do Google e do Facebook sobre a publicidade em mídia digital. Tina Brown, uma figura influente que trabalhou na Vanity Fair e The New Yorker, disse no final de 2017 que está tão irritada e decepcionada com a forma como essas empresas estão investindo receitas publicitárias que ela propôs que o Google e o Facebook criem um super-fundo para a mídia tradicional. Rupert Murdoch, presidente executivo da News Corp, também compartilhou preocupações parecidas, afirmando que o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, parece genuíno em seu interesse em ajudar, mas que "preconceito político" e "falta de transparência" podem dificultar a verdadeira justo. The New York Times, The Wall Street Journal e várias outras organizações noticiosas criaram uma coalizão conhecida como News Media Alliance, a fim de solicitar coletivamente aos legisladores federais que concedam a eles uma isenção dos regulamentos antitruste, de acordo com vários relatórios. Essa reclassificação permitiria que as entidades de mídia unissem forças para negociar mais efetivamente com os dois conglomerados de tecnologia, o que é importante para as tentativas da indústria de gerar mais receita publicitária e acabar com a hegemonia do Google e do Facebook. Fonte: Daily Caller

O que o Google sabe sobre você

O Google é o líder indiscutível na corrida dos gigantes da tecnologia para acumular dados de usuários, graças à sua enorme variedade de serviços, dispositivos e principal participação dos negócios de anúncios digitais (37% para os 22% do Facebook). Ele provavelmente sabe tudo que você já digitou na barra de pesquisa do seu navegador e todos os vídeos do YouTube que você já assistiu. Mas pode também saber onde esteve, o que comprou e com quem se comunica. A questão é que o Google não é apenas o serviço de pesquisa de mesmo nome. Ele também recebe muitos dados de seu navegador Google Chrome, bem como do YouTube, dispositivos que executam seu sistema operacional Android, o Google Assistente e o Google Maps, além de produtos de hardware como o Nest e o Google Home. Um estudo da Vanderbilt University descobriu que o Google e o Google Chrome estão enviando muitos dados para o Google, mesmo sem ação do usuário, incluindo dados de localização (supondo que um usuário não tenha escolhido compartilhar essas informações). E quase metade dos dados veio da interação das pessoas com os serviços do Google para os anunciantes, em oposição aos consumidores que escolheram diretamente usar um serviço do Google. O que o Google coleta: termos que você procura, vídeos que você assiste, informações de voz e áudio quando você usa recursos de áudio, atividade de compra, pessoas com quem você se comunica ou compartilha conteúdo., atividade em sites e aplicativos de terceiros que usam os serviços do Google, anúncios e conteúdo visualizados nos sites do Google, bem como as interações com esse conteúdo, histórico de navegação do Chrome que você sincronizou com sua Conta do Google, dados de localização, que o Google pode coletar diretamente por meio de dados de GPS ou inferir de outros sensores e dados, incluindo endereços IP, roteadores Wi-Fi próximos e beacons de Bluetooth. O que não coleta: dados do Google Docs de clientes corporativos que usam a versão paga da empresa, tráfego da Internet de seus roteadores domésticos do Google Wi-Fi. A empresa costumava usar o conteúdo de e-mails no Gmail para escolher anúncios para exibir, mas não o faz mais, dizendo que seus outros dados são mais eficientes. Fonte: Axios
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia