Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Receita de wearables da Apple já supera as vendas do iPod no auge Postado em: 11/01/2019
Apple Watch e os fones de ouvido sem fio AirPods são os campeões de vendas
As receitas para os produtos wearables da Apple, particularmente o Apple Watch e os fones de ouvido sem fio AirPods, excederam as receitas do iPod quando o tocador de música estava "no pico", disse o CEO da Apple, Tim Cook. "...a receita de wearables já é 50 por cento maior do que o iPod quando estava no auge", disse Cook à CNBC em entrevista ao apresentador do Mad Money, Jim Cramer. Ele acrescentou que o relógio e os AirPods geraram entre quatro e seis vezes mais vendas do que o iPod gerou no mesmo período de tempo desde o seu lançamento. Essas estatísticas são particularmente significativas porque o sucesso do iPod foi um ponto de virada para a Apple, disse Cook na sessão exclusiva. Fonte: CNBC

Estudo: US$64 bilhões serão gastos com publicidade de apps até 2020
A AppsFlyer, especialista em atribuição mobile e análise de dados para aplicativos, prevê que os gastos com publicidade para instalação de aplicativos devem subir 65% de 2018 a 2020, alcançando US$64,1 bilhão. Ano após ano, essa quantia irá subir em média 34% e gradualmente decrescer ao longo do tempo, porém se manterá robusta neste período. O estudo considera 35 bilhões de instalações, US$10 bilhões em gastos com anúncios e 70 mil aplicativos. Também foram adotados parâmetros, como dados de compartilhamento de mercado de atribuição para dispositivos móveis de terceiros, previsão de CPI por região, número de aplicativos nas lojas de aplicativos e o número de instalações. No total, o estudo usou cinco modelos estatísticos diferentes. De acordo com o estudo, no maior mercado, a América do Norte, o crescimento de gasto para instalação também será agressivo, dobrando em 2020, atingindo US$12,9 bilhões. O mesmo comportamento deve se repetir nas demais regiões, com um crescimento significativo ano após ano, de 21% nesta região. Fonte: IP News

Transparência x privacidade: VP do Facebook esteve no CES 2019, discutindo essa e outras questões
Mark Rabkin, vp of ads and business platform do Facebook, participou de um painel no CES e, entre outras coisas, afirmou que os anunciantes querem ver melhor quantas vezes uma pessoa vê um anúncio da marca no Facebook, no Google e em várias outras plataformas para se certificar de que não estão incomodando as pessoas com anúncios frequentes demais ou assustando-as com a clareza de que estão sendo seguidas pela internet. Mas, para isso, eles precisam de plataformas como o Facebook para fornecer mais dados que os anunciantes possam usar para conectar os pontos à exposição do anúncio nessas plataformas. "Sinto que, na verdade, demos um passo atrás na medição e na redução de frequência. Você não pode olhar para um conjunto de dados do Facebook e compará-lo com um conjunto de dados do Google", disse Jeff Ratner, diretor de mídia da iCrossing. À luz das exigências dos anunciantes para uma maior transparência de dados e medição de plataformas cruzadas, o Facebook está "olhando para algumas soluções do tipo câmara de compensação", disse Rabkin. Mas, dadas as falhas de privacidade do Facebook somente no ano passado -- do escândalo da Cambridge Analytica à invasão de dados -- a empresa teria dificuldade em fornecer aos anunciantes mais dados em um momento em que as pessoas e reguladores desconfiam dos dados que o Facebook já está compartilhando. "Não podemos apressar isso. Precisamos fazer isso corretamente ", disse ele. Rabkin se recusou a discutir as soluções que o Facebook está analisando em profundidade. Mas ele disse: "É apenas descobrir como podemos desinfetar os dados, agregá-los, anonimizá-los, misturá-los e trabalhar com algum tipo de parceiro tipicamente terceirizado - seja o grande parceiro clássico, seja a Comscore ou a Nielsen ou quem quer que seja. é possível, como colocamos todas essas peças juntas de uma maneira que realmente funcione. " Outras questões debatidas por Rabkin foram o abuso em anúncios de produtos e segurança das marcas. Fonte: Digiday
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia