Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

[email protected]

Você é omnicanal, multicanal ou multimodal? Postado em: 14/03/2019
Tecnologia, Mídia e Telecomunicações (TMT), Terceirização e Finanças foram as principais indústrias que adotaram a tecnologia omnicanal;  Seguros e Travel and Hospitality estão atrasadas
Usa-se tanto essas expressões quando falamos de experiência do consumidor. Mas você realmente sabe a diferença entre multimodal, multicanal e omnicanal? Um relatório recente da ContactBabel não apenas explica a diferença, mas também mostra várias outras coisas. borda. Aqui estão algumas informações do relatório da ContactBabel revelando como você pode determinar se pretende ser multimodal, multicanal ou omnicanal. Multicanal: "Oferecemos uma variedade de canais para os clientes (por exemplo, voz, e-mail, mídia social, bate-papo da Web etc.) e eles podem usar um canal em uma única interação. Se eles mudarem de canal, o contexto e a história serão perdidos ". Multimodal: "Oferecemos uma variedade de canais e usamos a mesma interação (por exemplo, um agente pode enviar um e-mail ou SMS para um cliente enquanto fala ao telefone)". Omnicanal: "Oferecemos uma variedade de canais e usamos mais de um em várias interações, mantendo o histórico e o contexto da consulta original. Informações relevantes seguem o guia do cliente para canais e interações ". As principais conclusões do relatório para quem quer ser omnicanal é, primeiro, que faz mais sentido quando você pensa em como fazer melhor usando um fornecedor de nuvem; além disso, vai exigir menos agentes e envolve o desejo de desenvolver relacionamentos com os clientes e a necessidade de fornecer mais informações. Outra descoberta importante do estudo é que Tecnologia, Mídia e Telecomunicações (TMT), Terceirização e Finanças foram as principais indústrias que adotaram a tecnologia omnicanal. As indústrias atrasadas para a adoção do omnicanal foram Seguros e Travel and Hospitality. Embora estejam atrasados, podem ser os que mais precisam de comunicações omnicanal, permitindo que os clientes interajam e obtenham dispositivos móveis. Fonte: CustomerThink

iPhone aumenta participação nos EUA
Embora o iPhone tenha se mostrado fraco em alguns mercados internacionais, o smartphone da Apple continua ganhando usuários nos EUA. De acordo com a mais recente previsão da eMarketer, a base de usuários do iPhone subiu 5,0% em 2018 e crescerá mais 3,2% neste ano. Em 2019, 105,2 milhões de pessoas nos EUA usarão um iPhone, dando à Apple uma participação de 45,2% no mercado de smartphones do país. Essa fatia crescerá 0,1% a cada ano até 2021. "Há muita variedade de iPhones disponível nos EUA", disse o diretor de previsões da eMarketer, Shelleen Shum. "O ecossistema da Apple, juntamente com a reputação da marca para a criatividade e privacidade, ainda é eficaz em manter a fidelidade do usuário e atrair novos usuários." O Android vai continuar a dominar o mercado de smartphones dos EUA, tendo ultrapassado a Apple em 2011. Este ano, o uso Android vai crescer 3,3% para 124,4 milhões de pessoas. Sua participação nos usuários de smartphones nos EUA aumentará para 53,4% em 2019 e atingirá 53,8% até 2021. "A boa notícia para os grandes players é que os fabricantes, como Xiaomi e Huawei, não representam uma ameaça imediata nos EUA devido à falta de disponibilidade de operadoras locais", disse Shum. O uso total de smartphones nos EUA crescerá 3,0% este ano, atingindo 232,8 milhões de pessoas. Em 2019, o uso de smartphones ultrapassará 70% da população dos EUA. Fonte: eMarketer

Estudo: o primeiro momento é crucial para impressões de anúncios em celulares
Pesquisas da Mobile Marketing Association mostram que os consumidores reagem muito mais rapidamente a anúncios do que a desktops, levando apenas 400 milissegundos, em média, para registrar impressões. Os anúncios em vídeo geraram principalmente respostas emocionais agudas. O cérebro humano precisa de um segundo para um segundo termo, com um anúncio móvel para criar sua própria impressão positiva ou negativa, de acordo com a MMA. Isso significa que os profissionais de marketing precisam pensar rápido e criar anúncios para celular com impacto instantâneo máximo. A pesquisa Cognition Neuroscience da MMA foi conduzida em colaboração com a The Advertising Research Foundation e a Neurons Inc. Os pesquisadores usaram o rastreamento ocular e o monitoramento de EEG para medir o que os participantes viram. Cerca de 900 consumidores participaram do estudo. O experimento descobriu que os consumidores têm reações extremamente rápidas aos anúncios para celular. Em média, foram necessários pouco mais de 400 milissegundos para os consumidores reagirem a 67% dos anúncios para celular aos quais estavam expostos. Além disso, os anúncios em vídeo em dispositivos móveis tiveram duas vezes mais chances de ganhar impulso (0,7 segundo, nesta pesquisa). A pesquisa sugere que os profissionais de marketing precisam considerar o impacto de um segundo, em vez de se concentrarem apenas na impressão de anúncios de seis, 15 ou 30 segundos. Na verdade, o MMA disse que as marcas devem desenvolver uma estratégia de "um segundo" para capturar a atenção dos consumidores no ambiente móvel. Fonte: The Drum
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia