Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fabiana Sanches

Coach e mentora em RH, psicóloga organizacional pós-graduada em Pedagogia Empresarial, consultora em gestão de pessoas, especialista em recrutamento e seleção por competências, treinamento e desenvolvimento, orientação de carreira e vocacional, avaliação psicológica e descrição de cargos. Atua também como educadora no Senac, presencial e à distância, sobre Empregabilidade e orientação/preparação para o mercado de trabalho.

[email protected]

Por que os candidatos não comparecem à Seleção? Postado em: 26/02/2010

Recentemente, conduzi um processo seletivo para a vaga de Assistente de Vendas e quero passar a vocês, os números dessa proeza, que é o Recrutamento e Seleção.

Ao todo, eram três vagas. Em uma semana e meia, recebi em torno de 560 currículos. Como uma amostra, apresento o quadro abaixo, que elucida e traduz melhor.

 
Os currículos recrutados são os que eu entrei em contato (dentro do perfil).

Os agendados são os que aceitaram a oferta de emprego e confirmaram a presença para o dia da seleção.

A média de comparecimento foi menor que 50% dos candidatos que se comprometeram a participar. E não telefonaram depois para dar um retorno ou justificativa da falta.

Dos finalistas, um desistiu. De 378 currículos analisados, restaram apenas 6 para 3 vagas.

Levei em média, 43 horas no processo total, entre divulgação da vaga nas várias fontes, triagem e análise dos currículos, entrevista coletiva, entrevista individual, dinâmica de grupo, aplicação de Teste Psicológico, confecção dos laudos e devolutiva ao cliente.

Agora, a pergunta: "Por que a maioria dos candidatos não comparece à Seleção?"

Esta situação é muito recorrente, meus colegas de profissão sabem disso, e dependendo do cargo em questão, é mais surpreendente.

Será que há muita oferta de emprego? O mercado está tão aquecido?

Percebo que alguns candidatos são bem seletivos ao telefone e têm que ser mesmo. Porém, outros passam do limite sutil, quando, por exemplo, ligo procurando o candidato, ele mesmo atende e diz em 3ª. pessoa: "Quem quer falar com ele?" com ar de desconfiado. Pergunta esta que faz com que quem telefona pense que está falando com outra pessoa, que não a procurada.

Como dica, informo que tal atitude do procurado causa péssima impressão em quem telefona, pois dá a entender que talvez, a pessoa queira se esconder, não transmite transparência nem credibilidade. Neste caso, antes de eu responder, pergunto: "É você mesmo?" Aí ele fica sem graça e hesitante, mas se assume. O mais adequado é dizer logo de primeira com peito aberto e com segurança: "Sou eu mesmo, quem deseja falar?" Aí sim, o recrutado transmite uma imagem de que enfrenta desafios, até os pequenos e simples, como atender a um telefonema.

De um lado, uma multidão de desempregados desesperados, de outro, o pessoal da Seleção torcendo para que os candidatos não faltem.

Candidatos e colegas de RH, por favor, me escrevam no Blog contando suas experiências em relação ao assunto!

Abraço!


 

Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (43)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Comentários
Postado em: 17/08/2011 às: 18:19 Por: Eloisa Manfredini ([email protected])
Fsbiana parabéns..gostei do seu artigo. Olha, faz 15 dias que estou desempregada e já fiz 04 entrevistas. Mesmo que a vaga não seja condizente com meu perfil eu apareço sim no processo seletivo nem que seja para falar:" olha obrigada mas no momento não é o que procuro"..eu acho um desrespeito não aparecer no processo. Acho mais dígno já dizer de cara que a vaga não te interessa. Você tem alguma dica de site que posso buscar emprego pela internet???? Grata, Eloisa.
Postado em: 13/09/2010 às: 01:56 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Olá Libi Sim, eu concordo e sigo seu raciocínio, trabalho comigo o não julgamento, a empatia e a postura humanista em relação aos candidatos. Por outro lado, sempre incentivo meus alunos, candidatos e treinandos a melhorarem seu Marketing Pessoal antes, durante e após o processo seletivo, já que o Selecionador tem pouquíssimo tempo para detectar os possíveis talentos potenciais. Todos devemos fazer nossa parte! Obrigada pelo comentário. Abraço Fabiana
Postado em: 13/09/2010 às: 01:50 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Olá Iracema Sua atitude de avisar porque não irá ou porque não compareceu ao processo seletivo é louvável. Quanto a estar disponível no mercado, envio anexa uma lista com as melhores fontes gratuitas que elaborei para auxiliar aos colegas no cadastro de CV, busca de vagas, com artigos de RH e conteúdo de Negócios. Para se obter êxito, é necessário se dedicar à busca do emprego, pelo menos, meio período por dia, fazendo pesquisas de vagas em sites. Vamos nos falando! Abraço Fabiana
Postado em: 13/09/2010 às: 01:42 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Isabela! Muito obrigada pelo comentário! Espero que continue acompanhando os artigos. Abraço Fabiana
Postado em: 27/07/2010 às: 02:37 Por: libi ([email protected])
Entendo que o processo seletivo é cansativo e difícil de fechar. Seria interessante que o RH tenha mais bom senso, seja ponderado e HUMANO, elimine as frases feitas e os modismos. Pelo menos, evite os julgamentos, as deduções e as interpretações, pois pode estar perdendo um potencial candidato. Abraços.
Postado em: 19/07/2010 às: 21:11 Por: IRACEMA SANTOS ([email protected])
gostei do seu artigo! como candidata e desempregada desde dez/2009 te adianto que nao costumo nao comparecer a um processo seletivo, mas o que tenho visto é desanimador. Geralmente faço uma "triagem" por telefone mesmo quando sou convidada para um processo, e mesmo assim costumo ter surpresas negativas. Mas ja deixei de ir a uma entrevista por nao encontrar o local a tempo, no ter dinheiro no dia, ou obter informações negativas sobre a empresa. Mesmo assim costumo ligar depois e agradecer.
Postado em: 16/07/2010 às: 08:49 Por: Isabela Cavalheiro ([email protected])
Fabiana, Ótimo artigo! Reflete muito bem a realidade. Enquanto não descobrimos por que essas faltas acontecem, a sáida é chamar 20 candidatos quando você pretende fazer processo com 10, e o que vier a mais é lucro. Percebo que isso acontece mais com vagas de auxiliar, assistentes e operacionais. Abraços Isabela
Postado em: 19/05/2010 às: 13:24 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Patricia!

É verdade, há muitas distorções dos dois lados. Percebo muitos profissionais de RH despreparados e muitos candidatos fazem uma ideia muito diferente e errônea de como acontecem os processos seletivos, infelizmente. Por isso, escrevo, para elucidar e desabafar!

Muito obrigada pelo comentário e volte sempre ao Blog!

Abraço
Fabiana
Postado em: 12/05/2010 às: 18:27 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Patricia!

É verdade, há muitas distorções dos dois lados. Percebo muitos profissionais de RH despreparados e muitos candidatos fazem uma ideia muito diferente e errônea de como acontecem os processos seletivos, infelizmente. Por isso, escrevo, para elucidar e desabafar!

Muito obrigada pelo comentário e volte sempre ao Blog!

Abraço
Fabiana
Postado em: 06/05/2010 às: 13:28 Por: Patricia ([email protected])
Olá Fabiana,
Sou participante do grupo do João Honório e sua colega de profissão, e passo pelos mesmos problemas. Muitas vezes demoramos dias para finalizar um processo, por pura falta de candidatos, ou candidatos inadequados ao perfil.
Existe um paradoxo entre vagas x candidatos, e algo esta se perdendo nesse caminho. Não tenho ainda resposta, mas uma certeza, existe uma grande distorção dos dois lados da moeda.
Seus artigos são muito bons!
Abs,
Patricia
Postado em: 11/03/2010 às: 02:34 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi caro Junior

Que bom, obrigada, parece que você captou exatamente o que eu quis mostrar.

Você tem razão, vale muito a pena, participar de processos seletivos:

- para conhecer novas pessoas, fazer contatos e Networking (percebo que a maioria não faz);
- para avaliar as necessidades do mercado e saber se você está apto a atendê-las;
- aprender com o outro e trocar vivências, pois os processos são termômetros, tanto para candidatos, quanto para o RH.

Abraço, volte sempre!
Fabiana
Postado em: 06/03/2010 às: 19:46 Por: Junior Ribeiro ([email protected])
Olá Fabiana,
Adorei o artigo, mostra bem a realidade de ambos os lados. Eu sempre atendo meu telefone com meu nome, não tenho receio de atender me identificando, afinal alguém ligou no meu telefone...rsrs. Quanto a questão do comparecimento, vejo que a falta de comprometimento esta presente naqueles que não comparecem. Vejo sempre que participar de processos seletivos é oportunidade de estar presente, sentir o mercado, aumentar meu network e claro merecer o cargo.
Abraços
Junior Ribeiro
Postado em: 04/03/2010 às: 15:01 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Talita

Obrigada pelo comentário.

Em meus processos realizados no interior de SP, infelizmente, também encontrei a mesma realidade. E em algumas cidades em que há um polo industrial melhor, o cenário para nós, é pior, rsrs.

Acredito que em São Paulo, o quadro seja menos crítico.

Volte sempre ao Blog!
Abraço
Fabiana
Postado em: 04/03/2010 às: 14:37 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi caro Raul

Sobre o retorno do RH aos candidatos, indico a leitura de outro artigo meu: A polêmica falta de retorno do RH aos Candidatos
http://www.blogclientesa.clientesa.com.br/blogdabolsa/default.asp?blogiD=1238

Não se prenda ao retorno do RH e sim, ao seu potencial. Procure sempre atender às expectativas do mercado. Seu CHA está completo?
http://blogclientesa.clientesa.com.br/blogdabolsa/default.asp?blogiD=1553

As 43 h são refs. aos bastidores (análise CV e confecção de laudos)
Postado em: 04/03/2010 às: 11:33 Por: Talita Angelini ([email protected])
Olá Fabiana,

Achei interessante sua iniciativa de escrever dividindo estas questões com o pessoal de RH. Particularmente também vivo esta dificuldade onde trabalho. Você vê isso mais nos processos seletivos de São Paulo capital, ou também no interior?

Um abraço

Talita Angelini
Postado em: 03/03/2010 às: 22:31 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Olá Cintia!

Muito obrigada pelo comentário, volte sempre!

Gosto muito da Meire e ela meu deu oportunidade de atuar com ela algumas vezes, espero que nossa parceria continue.

Sim, os números são estarrecedores, infelizmente.

Abraço!
Fabiana
Postado em: 03/03/2010 às: 22:25 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Davi

Defendo que ninguém deva ser limitado, mas infelizmente somos sob alguns aspectos, e dentro do RH, não é diferente, portanto tem pessoas preconceituosas no RH, como em qualquer outra área.

Quando o candidato não pode comparecer, tento agendar outra data para ele, aliás, o interesse não é só dele e sim, meu em fechar a vaga.

Tomara que essa situação mude quando e se o mercado estabilizar, mas te digo que em meus longos anos em Seleção, sempre foi assim, independente de crise. Abr
Postado em: 03/03/2010 às: 22:17 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Luciana

Ainda bem que você me apoia, rsrsrs!

Sempre gosto de falar dos "bastidores" do RH para que os candidatos saibam como tudo acontece.

Sobre o retorno do RH aos candidatos, escrevi outro artigo:

A polêmica falta de retorno do RH aos Candidatos
http://www.blogclientesa.clientesa.com.br/blogdabolsa/default.asp?blogiD=1238



Volte sempre ao Blog!

Abraço
Fabiana
Postado em: 03/03/2010 às: 22:10 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Kamila

Sim, as duas partes devem se comprometer, RH e candidatos, mas a falha de uma das partes não justifica o comportamento da outra.

Volte sempre!

Abraço
Fabiana
Postado em: 03/03/2010 às: 22:05 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Juliana

Que bom saber disso, seu comentário me conforta, pois diante de algumas críticas, me questiono se meu ponto de vista não está sendo inflexível ou cego. Mas meus colegas de profissão sabem o quão é trabalhoso fechar um processo seletivo.

A intenção desse artigo foi justamente, a de mostrar isso através dos números, mas alguns se apegaram a outras falas minhas do conteúdo.

Abraço!
Fabiana
Postado em: 03/03/2010 às: 21:58 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Samuel

É isso mesmo, conhecemos um pouco do comprometimento do candidato por suas atitudes.

Forte abraço e volte sempre!

Fabiana
Postado em: 03/03/2010 às: 21:54 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Maria Claudia

É sempre bom ficar com um no. de telefone da empresa.

Quando o Recrutador evita falar da vaga, desconfie. O mínimo que ele pode fazer para que o candidato vá à entrevista é saber vender a vaga. E o candidato, por sua vez, tem o direito de recusar por falta de informações sobre a oportunidade, afinal ninguém pode perder tempo e dinheiro.

Abraço
Fabiana
Postado em: 03/03/2010 às: 18:33 Por: Raul Casas Garcia ([email protected])
Mas que tal...Fabiana !!
Bom no meu caso, que estou desempregado desde agosto de 2008, nunca desisti de nenhuma entrevista, embora tenham sido muito poucas (somente 4).
Continuo a afirmar que as empresas nunca dao retorno aos candidatos.
Infelizmente nunca participei de processo seletivo de 43 horas.....tenho me candidatado a vagas em 2009 e ate agora contrataram.....ou nao me selecionaram ?? Sem resposta dos contratantes fica dificil saber. Parabens pelas materias.
Postado em: 03/03/2010 às: 12:47 Por: Cintia ([email protected])
Olá, Fabiana!

Este artigo foi indicado pela Meire Campos, gostaria de parabeniza-lá pela matéria. Sou futura candidata a uma vaga e formada na área de Recursos Humanos, sendo assim foi interessante ler pois como profissional sei da dificuldade para preencher uma vaga e como candidata os números é estarrecedor. Saiba que as dicas fornecidas é de grande valia, pois mudarei alguns atitudes que até o momento é normal. Obrigada, até a próxima. Cintia
Postado em: 02/03/2010 às: 21:58 Por: Davi Jose da Silva ([email protected])
Realmente o mercado anda com uma qtde de vagas absurdas,como trabalho com periódicos que trazem estas informações vejo clientes que se candidatamem duas ou mais vagas e as vezes coincidem datas e os mesmos temem dizer isso ao entrevistador com receio,medo,dúvidas,sei -la na realidade acho um pouco culpa das empresas ,que não toleram um candidato dizer que tem um outro compromisso ou avaliação,acham um absurdo receberem um não posso.
Não ira mudar isto enquanto o Mercado não estabilizar .
Postado em: 02/03/2010 às: 13:01 Por: Luciana Carrer ([email protected])
Não considero este fato como "algo natural".
Trabalho com seleção com grande demanda de vagas para área comercial e sempre enfrento este problema, existem situações onde chega a agendar 15 pessoas e fico com a sala vaga porque ninguém compareceu. Não posso considerar natural tal falta de respeito. Mas concordo quando é dito que os candidatos também não tem retorno dos processos seletivos, precisamos nos conceituar da importância de um feedback sempre!
Postado em: 02/03/2010 às: 10:16 Por: Kamila ([email protected])
Acredito que isso seja natural dentro de qualquer processo seletivo, mais vale pontuar a parcela de culpa das empresas nessa desistência.
Muitas se interessam pelo candidato apenas na hora em que precisa dele, agora se foi reprovado ele é descartado e não é dado nenhum feedback.
E assim o candidato acredita não precisar ligar para avisar que não participará da seleção, já que isso já foi feito com ele. Devemos cobrar sim, mais também devemos fazer a nossa parte, dar o exemplo.
Postado em: 01/03/2010 às: 12:20 Por: Juliana ([email protected])
Cont.. Além disso, pode ser q hj a vaga q vc esteja trabalhando não me interesse, mas amanhã, eu queira fazer parte da empresa para qual vc recruta. Alguns candidatos nao sabem, mas geralmente o RH tem um controle (assim como demonstrado por sua tabela) q registra inclusive os que não compareceram. Em uma prox. oportunidade, se chamaríamos novamente o candidato, pensamos 2x ao contatá-lo. Nós devemos sim analisar propostas, escolher onde trabalhar! E exercitar o bom senso ;-)
Postado em: 01/03/2010 às: 12:11 Por: Juliana ([email protected])
Olá Fabiana! Como profissional de RH, atuando em R&S, sei bem do que vc está falando... compartilho com os colegas de alguns pontos comentados, entretando, acredito q o bom senso deva sempre prevalecer. No momento estou PHD e em busca de uma nova oportunidade. Falo por mim, participo de TODOS os processos para q sou chamada pois acredito q de todos eles posso tirar um novo aprendizado. Qdo não tenho interesse, me posiciono, agradeço a oportunidade, pois sei a dificuldade q é se fechar uma vaga..
Postado em: 01/03/2010 às: 12:07 Por: Samuel ([email protected])
Creio que o fato de o candidato desistir no meio do caminho é normal, passei por isso. O problema é não avisar com antecedência de pelo menos uma hora...já desisti de 4 processos seletivos e avisei com antecedência de tal desistência e isso vai do caráter profissional e comprometimento de cada um... grande artigo Fabiana!
Postado em: 01/03/2010 às: 11:42 Por: Maria Claudia ([email protected])
Sou uma candidata que há mais de um ano busca uma nova oportunidade. Quando um recrutador me liga, procuro esclarecer o máximo possível à respeito da vaga. E fico sempre c/ um telefone pra contato no caso de imprevistos.
Gostaria de colocar tbém que há aqueles recrutadores que não querem falar nada da vaga, como vou saber se é do meu interesse ou não? Semana passada me ligaram querendo agendar uma entrevista para uma vaga que não foi apresentada, o selecionador não se identificou. Como pode?
Postado em: 01/03/2010 às: 10:12 Por: Fer ([email protected])
Sim, Trotes são situações específicas. Assim como vendedores, cobranças, parentes, entre uma infinidade de outras situações que acontecem num telefone PESSOAL. Cautela ao atender telefone é via de regra na maioria das residências, e tal fato, ao MEU ver nem deveria ser levado em consideração. Mas como disse, cada avaliador avalia, ou julga, como bem entende.

Abraços!
Postado em: 01/03/2010 às: 10:04 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Continuando com Fer

Os trotes são situações específicas e as pessoas não recebem todos os dias.

Veja bem, não estou querendo malhar os candidatos, apenas mostrar um lado que a maioria das pessoas que estão desempregadas não vêem ou não sabem. E o objetivo maior é que elas se policiem, pois o aprendizado não tem preço. Sempre quero elucidar e ajudar.

Muito obrigada por seu comentário!
Volte sempre!
Postado em: 01/03/2010 às: 10:02 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Caro Fer, Bom dia

Não me baseei em uma única Seleção. Quando escrevo, é com propriedade, pois atuo em RH há muitos anos. Quando faço Recrutamento (ligar p/ os candidatos), repito o mesmo "script" inúmeras vezes e portanto, essa situação que coloquei no artigo da parte do candidato é muito recorrente (senão eu não teria mencionado). É fato consumado para quem atua em RH. Na verdade, tenho histórias absurdas sobre respostas de candidatos ao telefone. Eu poderia escrever um livro. Continua...
Postado em: 01/03/2010 às: 10:01 Por: Fer ([email protected])
Creio que é preciso para o profissional sair da posição de `senhor absoluto do destino alheio`, e saber reconhecer que também é um empregado, e se ocupa hoje o cargo de senhor do destino alheio, amanhã pode estar se submetendo aos mesmos critérios de ´julgamento` numa nova entrevista de emprego.
`Fazer aos outros aquilo que deseja para si mesmo` nunca fica defasado.

Creio que vale a observação.

Abraços!
Postado em: 01/03/2010 às: 09:55 Por: Fer ([email protected])
Acredito ainda que o profissional da área de RH deve sair do posto de `senhor absoluto do destino` dos candidatos, e focar em avaliação, e não em julgamento. Tanto mais por que se hoje se sente ocupando o cargo de senhor do destino alheio, ainda é um empregado, amanhã poderá estar se submetendo às mesmas regras de `julgamento`em uma entrevista de emprego.
`Fazer aos outros aquilo que se deseja para si mesmo` ainda é algo muito atual.
Creio que vale a observação.

Abraços!
Postado em: 01/03/2010 às: 09:54 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Cara Maria Helena

Seu caso sobre o trote é muito específico. Creio que não acontece todos os dias com todas as pessoas.

E sim, cada um tem seus motivos para se ausentar da Seleção. Mas, no todo, no geral, a média de comparecimento em Seleções (independente do motivo) é sempre em torno de 50%. Fato constatado na prática por quem atua em RH.

Muito obrigada pelo seu comentário! Volte sempre!

Abraço
Fabiana
Postado em: 01/03/2010 às: 09:51 Por: Fer ([email protected])
Creio que `avaliar` um candidato, ou nesse caso específico, `julgar`, simplesmente por que atende o telefone dessa maneira, é algo muito, mas muito superficial. Um telefone pessoal é alvo de muitas situações. Quem nesse mundo nunca recebeu trote? Quem nesse mundo não se cansou de receber ligações inúteis? Como profissional da área, e como psicólogo, incluir tal fato numa avaliação não me parece muito lógico, mas cada profissional tem sua maneira de `avaliar`.
Postado em: 01/03/2010 às: 09:49 Por: Fabiana Sanches ([email protected])
Oi Edu!

Hahaha, achei engraçada sua suposição sobre o candidato julgar ser cobrança. É verdade, pode ser isso sim.

Quanto ao salário ser maior ou menor, não faz muita diferença, pois há público e perfil para todos os tipos de vagas.

Obrigada pelo comentário!
Fabiana
Postado em: 01/03/2010 às: 09:38 Por: Maria Helena ([email protected])
Sempre leio o blog e raramente comento, mas como, dessa vez ja aconteceu parecido comigo , resolvi dar a minha opnião. Acho que para tudo ha exceções. Em um dia que recebei um telefone para entrevista, atendi como se não fosse eu, pois ha uma semana vinha sofrendo com alguns trotes de quem não tinha o que fazer. Quanto ao comparecimento, acredito mesmo que isso seja frequente e cada um tem seu motivo, seja o citado pelo Edu, ou um outro qualquer.
Postado em: 01/03/2010 às: 02:35 Por: Edu ([email protected])
Sobre a desistencia de alguns no processo, pode ser que apos o contato, estes candidatos analisam melhor a oferta e desistem por acharem que o valor oferecido é menor do que realmente desejam, acham que nao vao se adaptar ao servico ou querem outra qualificacao no mercado que nao a oferecida.
Postado em: 01/03/2010 às: 02:18 Por: Edu ([email protected])
Sobre a desistencia de alguns no processo, pode ser que apos o contato, estes candidatos analisam melhor a oferta e desistem por acharem que o valor oferecido é menor do que realmente desejam, acham que nao vao se adaptar ao servico ou querem outra qualificacao no mercado que nao a oferecida.
Postado em: 01/03/2010 às: 02:12 Por: Edu ([email protected])
Bom, por esta analise posso dar alguns palpites que:

Deve-se analisar em forma de piramide, aonde quanto menor o salario oferecido e/ou experiencia pedida pelo seletor, maior vai ser o numero de candidatos interessados ou "desesperados" em conseguir uma colocao no mercado, só que tambem atrai pessoas de baixa renda e que normalmente durante o periodo ocioso de emprego alguns contraem dividas e criam esta tensao ao atender o telefone, achando que seja alguma cobranca de divida.
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2019 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia