Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Gladis Costa

Profissional de marketing e comunicação e fundadora do Grupo Mulheres de Negócios. Atuou em empresas de TI como Scopus, Sun Microsystems e PTC. É formada em Letras, com Pós-Graduação em Jornalismo, Comunicação Social e Negócios. Autora do livro "O Homem que Entendia as Mulheres", publicado pela AllPrint Editora (2005).

gladis.costa@uol.com.br

Mulheres & TI: Uma Parceria de Sucesso Postado em: 19/04/2017

Bate papo com Regina Pistelli, da T-Systems

 

Matemática começa com 1,2,3, mas o sucesso em TI pode começar em 3,2,1!

 

        Grandes descobertas não se deram apenas por um insight solitário, mas por um grupo de indivíduos que consolidou o conhecimento e isto sim, criou algo novo, revolucionário, que foi benéfico para todo mundo. 

Regina Pistelli

 

IMG_3292-1
Regina e eu

Meu encontro com Regina Pistelli durou pouco mais de uma hora. A conversa foi ótima, recheada de histórias interessantes e inspiradoras, por isso este texto é um relato compactado. O tempo foi escasso para falar de tantas experiências.

Regina fala rápido, é muito dinâmica. Fala com paixão do gosto por matemática desde a tenra infância, descreve os desafios que teve em gerenciar equipes de desenvolvimento de software, fala do seu papel na ONG Solidário, das suas atividades na T-Systems, multinacional alemã da área de TI e dos múltiplos eventos que participa, seja por exigência do negócio ou por causas que apoia.

Quando nossa conversa acaba, fico com uma visão otimista da presença da mulher na área de TI, um reduto fundamentalmente de "meninos", porém, para Regina, paixão pelo que fazemos não tem a ver com gênero, geografia ou segmento. "Quando a gente gosta do que faz, obstáculos servem apenas para nos tornar resilientes, são parte do nosso crescimento pessoal e profissional, portanto positivos e bem-vindos".

Começo perguntando como é trabalhar em TI e  ter sucesso. Regina, que tem exercido o papel de CIO praticamente durante toda sua carreira, é uma referência na área há muitos anos.

Minha primeira pergunta: A equação "Mulheres em TI  + Liderança Corporativa + Equiparação Salarial = Fato" é verdadeira?

RP Claro, não só na área de TI, como noutros setores. Acontece que tudo é muito novo, esta revolução, que resultou no aumento da presença na mulher na sociedade, no mercado de trabalho e na própria área de TI, é relativamente recente em termos de história. Só não é tão visível porque mudanças de paradigma levam tempo, mas as nuances já são vistas aqui e ali. Existe um mundo novo, acontece que ele só será tangível a partir do momento em que a própria mulher solicitar seu lugar à mesa - através de capacitação profissional, resultados entregues, postura e principalmente do desejo em não levar tão a sério os percalços que ocorrem no ambiente de trabalho.

GC: Como funciona isto no dia a dia corporativo?

RP: Trata-se de ter uma meta. Se temos uma missão, ir do Ponto A ao ponto B, nosso foco deveria ser atingir esta meta o mais rápido possível, deixando de lado ruídos e interrupções, porque se pararmos para questionar pequenas coisas,  vamos nos afastar do foco. Estas coisas se tornam pequenas quando colocamos nossos objetivos em perspectiva. Eles é que importam no final do dia. Simplesmente coloco energia e tempo no meu core business.  Simples assim. Estou fazendo o que gosto, lutando por coisas que acredito, pensando no sucesso dos meus clientes, na inovação da tecnologia - que é constante, nos processos de negócios; veja, já existem muitas atividades que requerem  minha atenção, por isso a importância de manter o foco, sempre.

GC: As mulheres percebem esta mudança de paradigma de fato ou ainda é apenas um discurso moderninho?

RP: Percebem sim, tanto que já chegaram à conclusão de que a união faz a força e gera mudanças. Grupos como o próprio MULHERES DE NEGÓCIOS, outros grupos  e iniciativas que a gente conhece,  que desenvolvem estratégias para dar voz às mulheres, estão aí para provar que a mudança não é uma iniciativa de uma só voz, mas coletiva. Grandes descobertas não se deram apenas por um insight solitário, mas por um grupo de indivíduos que consolidou o conhecimento e isto sim, criou algo novo, revolucionário, que foi benéfico para todo mundo. Os insights podem ser individuais, mas o produto é algo gerado por várias mãos e mentes.

GC: Voltando à TI, por que poucas mulheres na área?

RP: Porque garotas querem ser "cool", todo mundo quer ser popular no grupo, ser bacana, bem visto. Quem gosta de TI ou disciplinas científicas é considerado nerd. A palavra tem uma conotação jocosa e preconceituosa. É o "super inteligente", que passa a impressão que não se diverte como os outros, resolve problemas complexos demais para sua idade, é o caxias, como se falava antigamente. Este estereótipo pesa muito no momento de decisão da carreira. A própria família, às vezes, olha com ansiedade e preocupação aquela criança que prefere deixar de lado atividades sociais ou não participa de conversas que não lhe são interessantes, para se dedicar a um bom livro ou estudar em suas horas de lazer. As garotas precisam saber que aquela imagem da criança com "óculos fundo de garrafa" e estranha não é mais verdadeira. Ela pode estudar Matemática, ser popular no grupo e ser feminina. Disciplinas técnicas ou científicas não são "coisa de menino". Uma coisa não exclui a outra.

GC: O que as meninas precisam saber sobre a área de TI?

RP: Bom, TI é uma área que costuma remunerar muito bem seus profissionais, oferece possibilidade infinita de criar soluções para problemas do mundo real, fortalece a autoestima na medida em que você constrói sua independência econômica de forma rápida; além do mais, a trajetória profissional no ambiente de TI costuma ser um processo ágil. A área permite maior mobilidade geográfica e flexibilidade de horários. É uma área inclusiva, pois permite que mães possam trabalhar numa agenda flexível e gerenciar com calma o conflito de se dividir entre a carreira e as demandas da casa. TI não é só bits e bytes, é web, processos, negócios, aplicativos, teamwork, inovação.  É um mundo realmente incrível!

GC: O que falta então?

RP: Faltam figuras femininas nas quais estas garotas possam se inspirar, mulheres de sucesso, para as quais as barreiras serviram de estímulo, seja no empreendedorismo ou no ambiente corporativo. Mulheres que estão fazendo história e felizmente, deixando exemplos a serem seguidos através de boas práticas. Não tenho dúvida em dizer que a próxima geração será muito criativa, inovadora, inspiradora, como foi para mim Dona Terenila, a professora que marcou minha vida na infância e me inspirou a ser quem sou hoje: uma mulher de TI,  feliz da vida!

 

Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2017 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia