Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

fernando.gguimaraes@gmail.com

Fim de ano: como as empresas estão usando IA para aumentar vendas Postado em: 03/12/2018
Holiday Robot
Melhores assuntos de email, anúncios interativos, comandos por voz, são muitas as oportunidades
A inteligência artificial (IA) é uma realidade cada vez mais presente na sociedade, e muitos profissionais de marketing vão integrá-lo em suas campanhas de marketing de férias este ano. A Shopbrain, por exemplo, lançou um assistente de IA em uma extensão do Chrome para ajudar o consumidor a encontrar o melhor preço em produtos que querem comprar em sites de varejistas como Walmart e Amazon. Assim, se uma pessoa quiser comprar um massageador de costas, uma ferramenta de inteligência artificial pode solicitar as características essenciais que uma pessoa deseja, como por exemplo, ter um componente de calor, ser portátil e custar menos de US$ 200. O uso da ferramenta AI ajuda a criar um perfil de cliente. Outro exemplo envolve linha de assunto de email. A Virgin Holidays usou a IA para criar assuntos de e-mail e descobriu que a tecnologia era até 10% melhor do que a dos humanos para aumentar as taxas de abertura. Em outro exemplo, a Estée Lauder tornou as compras mais simples para os clientes dos mercados do Reino Unido e da Irlanda, com um chatbot que lhes permitia comprar coisas sem sair do aplicativo. Este ano, a LEGO investiu em anúncios interativos de IA para incentivar mais pessoas a comprarem seus produtos. Fez parceria com a IBM para usar a tecnologia Watson Ads Omni em anúncios online que compram As pessoas são bombardeadas com anúncios durante todo o ano Se os profissionais de marketing usarem a IA para torná-los mais relevantes durante os feriados, a recompensa pode ser substancial. Finalmente, o Google está permitindo que as pessoas comprem em varejistas conhecidos usando comandos de voz. O componente de pesquisa por voz também permite que as pessoas verifiquem o status do pedido ou obter informações sobre o horário das lojas locais. Fonte: DMN
 
Supermercado virtual não mostra guloseimas para clientes com dieta
Século 21 informa: sai o dono da lojinha da esquina que sabe o que você quer mal você você entra no estabelecimento, entra um algoritmo ultracarregado com dados do consumidor que sabe o que ele quer antes dele mesmo saber. Para o supermercado inglês J Sainsbury, isso significa que um comprador online que tem o hábito de comprar comida de gato não verá produtos para cães, alguém em uma dieta não vai ser tentado por guloseimas e pessoas com alergias alimentares serão avisadas sobre cada item que contenha o ingrediente indutor da alergia. Cada vez mais, varejistas estão implantando suas redes de arrasto de dados para personalizar a experiência de compra, com base em um tesouro crescente de entrada à medida que mais consumidores vão online para comprar qualquer coisa de cerveja para lâmpadas. O desejo de entrar na cabeça dos consumidores é particularmente agudo no Reino Unido, onde mais de 7 por cento das vendas de supermercado acontecer online, em comparação com apenas cerca de 1 por cento nos EUA. Isso transformou o Reino Unido em uma verdadeira placa de petri para varejistas que buscam cultivar experiências de compras online cada vez mais sofisticadas para manter gigantes da web como a Amazon afastados da região. Fonte: Bloomberg
 
Saia da bolha e descubra um público maior do que você imagina
As marcas acham que sabem quem é o seu público-alvo. Na verdade, os publicitários são pagos para descobrir quem está pensando em comprar seu produto, quem tem só um pouquinho de interesse nele e até quem poderia estar interessado, se ao menos soubesse que o produto existe. Mas será que não é hora de expandir os horizontes e encontrar clientes novos? Foi isso que a CoverGirl, uma marca de cosméticos norte-americana, percebeu este ano. Em vez de focar seu marketing só em fanáticas por beleza, eles criaram uma campanha para falar com vários tipos de perfis femininos: mães, praticantes de motocross, chefs de cozinha ou qualquer outra coisa que as mulheres queiram ser. "As mulheres têm muito mais dimensões do que a publicidade dava conta de mostrar antigamente. Elas são escritoras, corredoras, gamers, filhas e muito mais."
A campanha da CoverGirl foi baseada nesse insight, que virou a essência do marketing da marca. Assim, a empresa decidiu homenagear as "vírgulas" das mulheres, ou seja, as várias atividades e interesses que definem as suas vidas. Essa estratégia tem dois elementos-chave. Mas a marca não achou suficiente criar anúncios diferentes, com os quais as pessoas se identificam. Era preciso colocar isso na frente do público certo. A equipe da CoverGirl usou um tripé de sucesso para atingir novos perfis de clientes: uma história envolvente, uma audiência ampla e tecnologias de bidding aprimoradas com machine learning. Fonte: Think With Google
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2018 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia