Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

fernando.gguimaraes@gmail.com

3 Diretrizes para navegar na era do "branding audível" Postado em: 08/03/2018
Mais de 75% das casas deverão ter dispositivos ativados por voz até 2020
Com o SXSW prestes a dar início, é um bom momento para pensar sobre as tecnologias prestes a transformar a forma como vivemos e trabalhamos. As plataformas de voz trazidas pelo Alexa da Amazon, Google Home, Siri da Apple, a Cortana da Microsoft e a Bixby da Samsung estão tentando mudar a maneira como interagimos com a tecnologia e as "guerras de voz" estão em pleno andamento. Farhad Manjoo recentemente especulou em artigo no The New York Times que a Alexa tem chances viáveis ​​de se tornar o terceiro sistema operacional mais popular, ao lado do iOS e do Android - e ele pode não estar longe. O fato é que o branding audível chegou - não é mais uma questão de quando, mas como. À medida que as marcas e as editoras continuam a encontrar a sua voz neste espaço, os consumidores não só adotarão as soluçoes, mas as expectativas aumentarão quanto ao que está fornecendo valor real e o que é meramente aumentar o ruído. O apelo da voz é simples: é fácil, nos faz sentir como se estivéssemos tendo uma conversa versus computação, e é tipo "mãos-livres". A voz nos conecta quando estamos ocupados em multitarefas ou simplesmente com preguiça para levantar e encontrar nossos telefones. De acordo com a pesquisa do Gartner, mais de 75 por cento das famílias terão pelo menos um falante habilitado para voz em casa até 2020 (além da voz já em nossos outros dispositivos). Apesar de algumas preocupações de privacidade, as marcas têm uma oportunidade sem precedentes para romper a barreira sonora para chegar ao público. Um exemplo precoce foi quando Patrón fez o Alexa atuar como assistente de bartending virtual, fornecendo idéias, inspiração e informações em torno da mixologia. O molho de churrasco de Stubb faz para o grill o que Patrón faz para sua cozinha e bar ao servir receitas e muito mais. E não são apenas as marcas que se beneficiam -- as empresas de mídia estão entrando no espaço com conteúdo otimizado, como a integração do Google Home da Vogue, flash de fontes de notícias como CNN, Fox News e BCC ou compartilhando com crianças conteúdos de Sesame Street. Analistas oferecem 3 diretrizes. 1. Para comunicadores e empresas, é importante entender como a tecnologia de voz está evoluindo e educar sobre as mudanças e desenvolvimentos no espaço. Ficar atento ao que a concorrência está fazendo, compartilharr exemplos e melhores práticas de outras indústrias e avaliar potenciais oportunidades e aprendizagens para empresas e marcas. 2. Para empresas com produtos que são comprados nos mercados online, o SEO de dispositivos de voz é uma consideração importante. Ao fazer compras via voz, geralmente há um único resultado e apenas um punhado de outras sugestões sobre o produto que se está procurando. O conteúdo personalizado criado para o público-alvo e construído para dispositivos de voz é crítico, bem como o tráfego conduzido por fontes de terceiros respeitáveis. Além disso, no caso do Alexa, é importante certificar-se de que a identidade de voz de uma marca seja estabelecida durante o processo de desenvolvimento, reservando seu nome de invocação. 3. Para marcas que se arriscam em voz, a voz da marca deve ser genuína, autêntica e oferecer um valor exclusivo aos consumidores e clientes. Procurar ângulos de mídia ou idéias complementares que possam ajudar não apenas a ativação de voz melhor, mas também a ganhar atenção e conscientização. Fonte: Adweek
 
PAIRS Geoscope da IBM ajuda os desenvolvedores a utilizar dados geoespaciais
A IBM anunciou na terça, 63, o lançamento do PAIRS Geoscope, um novo serviço experimental baseado na nuvem que facilita a colaboração dos desenvolvedores com grandes quantidades de dados geoespaciais em uma ampla variedade de fontes. O serviço lida com o consumo, a integração e gerenciamento de dados, permitindo aos desenvolvedores se concentrar em suas pesquisas. A parte do serviço que lida com o consumo e a indexação de dados é o que separa o PAIRS Geoscope de outros grandes serviços de análise de dados, porque pode lidar com qualquer coisa, desde dados IoT geotagueados de sensores de dados meteorológicos, dados de censos, imagens aéreas e até tweets ou dados de notícias do projeto GDELT apoiado pelo Google. Quem estiver interessado em como a IBM faz isso, está com sorte, porque a equipe recentemente publicou um artigo --https://researcher.watson.ibm.com/researcher/files/us-kleinl/IEEE_BigData_final_klein.pdf -- que aborda mais detalhadamente como esse mecanismo de integração funciona. Do ponto de vista do desenvolvedor, no entanto, a característica mais importante é que o PAIRS converte todos os dados em formatos e unidades comuns e alinha automaticamente todos os dados espaciais. Fonte: TechCrunch
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2018 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia