Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fernando Guimarães

Consultor de marketing e comunicação, especialista em marketing de relacionamento e programas de fidelidade

fernando.gguimaraes@gmail.com

Transformação digital: 5 previsões sobre Inteligência Artificial para 2019 Postado em: 06/12/2018
 
Interesse crescente na IA explicável é uma delas (outra é a volta dos humanos ao circuito)
 
Em 2018, as empresas sonharam em dar respostas às pressões externas e a um cenário de TI em mutação, mas muitos desses sonhos encontraram uma dura realidade na forma de despesas, recursos insuficientes, resistência cultural e a percepção de que a transformação digital não é fácil. As apostas para 2019 continuam altas, mas a Forrester acredita que as coisas estão melhorando, pois os CIOs adotam uma abordagem mais pragmática para a transformação digital e se concentram em construir uma base mais durável e eficaz para inovar e dimensionar operações. Segundo a consultoria, a IA pragmática -- para aumentar, automatizar e personalizar -- se consolidará em 2019, quando os CIOs abandonarem suas grandes ambições de longo prazo e perceberem que têm trabalho com o que a IA pode fazer hoje, não o que fará amanhã. Isso ajudará as empresas a ultrapassarem a tendência infantil de muitas empresas dizerem que estão trabalhando com Inteligência Artificial, quando a conexão com a tecnologia  é tênue ou inexistente. O relatório da Forrester sobre IA para o ano que vem concentrou-se em cinco previsões principais, com base nas milhares de perguntas que os clientes da Forrester perguntaram sobre a IA em 2018 e uma pesquisa em profundidade da empresa: 1. Qualidade de dados continuará sendo um desafio,2. As empresas trarão os humanos de volta ao circuito, 3. As empresas competirão para usar a IA na corrida por talento de IA, 4. Veremos mais da tecnologia "RPA-plus-AI", Robotic Process Automation integrada com IA, 5. Interesse crescente na ´IA explicável´. Fonte: SearchCio Techtarget
 
As marcas estão se preparando para usar alto-falantes inteligentes

No final do ano passado, o marketing da HBO estava experimentando avidamente tecnologias como Realidade Aumentada e Realidade Virtual. Este ano, a prioridade mudou: agora é descobrir como a HBO, cujo produto vive nas telas, pode criar um espaço próprio no mundo da voz. O que os levou a essa mudança foi o estouro de vendas nos EUA dos assistantes inteligentes movidos por voz, como Google Home e Amazon Echo. Eles ainda não veicular publicidade paga, portanto suas potencialidades estão sendo testadas de outras maneiras. Algumas marcas estão tentando quebrar o código dos resultados de busca e garantir que seus produtos sejam mencionados primeiro quando os usuários dizem que desejam comprar um item específico. Outros estão criando jogos que entretêm pessoas ou ferramentas que fornecem algum tipo de serviço (como instruções sobre como tirar uma mancha de vinho das roupas) a fim de construir fidelidade ou reconhecimento das marcas. Os dispositivos ainda são utilizados principalmente para tarefas simples, como verificar o tempo ou ouvir as notícias. Mas os profissionais de marketing querem estar prontos para o futuro, especialmente porque os assistentes via voz serão integrados em produtos como TVs. A HBO criou aplicativos -- conhecidos como "skills" nos dispositivos Amazon Echo -- para promover seus shows e personagens. Este ano, introduziu o Westworld: The Maze, um jogo de estilo de aventura para os superfãs da série "Westworld". Mais recentemente, lançou uma skill com personagens de seu novo programa da Sesame Workshop, "Esme & Roy", no qual as crianças podem usar o palestrante para responder perguntas e acompanhar. Ambos os jogos podem ser jogados sem o auxílio de telas. Fonte: The New York Times

Itaú Unibanco e StanChart fazem parceria em blockchain na América Latina
O Itaú Unibanco e o Standard Chartered anunciaram nesta segunda, 3/12, uma parceria para desenvolver uma plataforma baseada em blockchain para pequenos empréstimos sindicalizados. A parceria representa o mais recente de uma série de esforços dos bancos para aproveitar o blockchain, um registro digital compartilhado de transações que é mantido por uma rede de computadores, e não por uma autoridade centralizada.O uso de blockchain no setor bancário deve reduzir o risco de fraude nas transações financeiras, bem como reduzir a complexidade e os custos, disseram os bancos. O Itaú Unibanco captou US$ 100 milhões com o Standard Chartered e o Wells Fargo em um empréstimo sindicalizado para testar a plataforma. Ricardo Nuno, diretor de tesouraria no Itaú, disse que os bancos negociaram todos os termos do empréstimo através da plataforma baseada em blockchain, mas não transferiu o dinheiro, embora ele tenha dito que a plataforma pode fazê-lo no futuro. Nuno, que disse que o Itaú também está considerando usar a plataforma para empréstimos a clientes, acrescentou que a plataforma ajudou os bancos a cortar custos legais e reduziu o número de mensagens trocadas entre as partes, que normalmente chega a cerca de 2 mil emails. Germana Cruz, chefe de instituições financeiras do Standard Chartered para a América Latina, disse que o banco pode usar o experimento em novos negócios na América Latina. Fonte: G1
Veja todos Artigos deste(a) Blogueiro(a) [Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2018 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia