Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Cezar Taurion

Consultor senior, com experiência em debater e avaliar impactos das (r)evoluções tecnológicas nos negócios. Atuou em empresas como IBM e PwC. É palestrante e autor de livros, que abordam temas como cloud computing, big data e inovação.

ctaurion@litterisconsulting.com.br

Vale a pena fazer um hackathon? Postado em: 02/09/2016

Ultimamente tenho visto muitos hackathons. Parece fashion! Toda semana identifico uns dois ou três, sejam de empresas de tecnologia, de empresas privadas ou mesmo de órgãos de governo de todas as esferas. Mas, qual deve ser objetivo de um hackathon? A proposta da maioria deles é instigar um ecossistema, seja interno e/ou externo a criar novas ideias e protótipos (geralmente apps para smartphones) que atendam a objetivos de negócio.

Um exemplo de hackathons internos com objetivos bem definidos são os do Facebook. O último, no começo deste ano, Hack 50, concentrou-se em ideias de aplicação de Inteligência Artificial. IA é o foco estratégico do Facebook. Vale a pena ler o artigo "Exclusive: Inside Facebook´s AI Hackathon". Agora, o que funciona para o Facebook não necessariamente funciona para outras empresas. É como tentar emular o Silicon Valley em outros países. O contexto e momento de criação do Silicon Valley não pode ser replicado, por mais que se tente, em outro país. Mesmo nos EUA. O Facebook é uma empresa 100% de tecnologia, tem uma cultura de colaboração aberta, o próprio Mark participa dos hackathons e eles são criados bottom-up, não são agendados pelo Zuck. Além disso, não existe um padrão de hackathons. Cada empresa tem suas próprias características e copiar o que outra fez, nem sempre dará certo.

Outros hackathons são abertos à participação de desenvolvedores externos. Os externos ajudam a mudar a cultura da empresa, descobrir novas oportunidades de negócio, que o pessoal interno, arraigado aos processos internos nem pensam em criar, engajar novos ecossistemas e também, descobrir novos talentos que possam ser contratados. 

O problema é que, aparentemente, muitos dos que vejo não me parecem ter objetivos bem definidos. São feitos ou por modismo ou para as empresas passarem uma imagem para o mercado de serem empresas "cool" e inovadoras. Muitos são abertos a quaisquer ideias, sem foco direcionado. A possibilidade de trazer resultados concretos para o negócio tende a diminuir na proporção da falta de foco.

Um hackathon, para trazer resultados palpáveis, demanda planejamento e preparação.  Primeiro, alinhar explicitamente os objetivos do evento com os objetivos estratégicos da empresa. Se a empresa é um banco e seu principal desafio estratégico é se tornar um banco digital, o hackathon tem que ter esse foco. Ou, se a empresa está em uma jornada de transformação digital, pode criar hackathons voltados a reinventar velhos processos e maneiras de fazer as coisas, fazendo seu pessoal "pensar digital". A McKinsey publicou um interessante artigo sobre esse assunto em "Demystifying the hackathon". Um extrato do artigo é claro:" By giving management and others the ability to kick the tires of collaborative design practices, 24-hour hackathons can show that big organizations are capable of delivering breakthrough innovation at start-up speed". Creio que vale a pena experimentar.

Criar um hackathon onde os participantes são jogados em um vácuo, sem conhecimento do contexto dos problemas a serem enfrentados, tem 99% de probabilidade de ser um desperdício de tempo e dinheiro. Sugiro a leitura atenta do artigo "Why Hackathons Are Bad For Innovation". Ele chama a atenção para o fato que o hackathon normalmente pode criar uma falsa sensação de sucesso. Cada evento anuncia seus vencedores e atribui prêmios. Mas e se nenhuma das ideias for realmente boa? Parece que para muitos hackathons isso não importa... A equipe vencedora recebe o prêmio e a empresa se sente inovadora. Resultado prático de inovação é pífio!

Por outro lado, se ele for muito restrito e burocrático, vai inibir a inovação. E um cuidado adicional é não o tornar um simples evento social, onde pizza e lugares exóticos são a atração principal. Um hackathon "festivo" não vai gerar muita coisa válida...a não ser boas recordações de quem participou da festa!

Escolha um local apropriado, em um espaço que incentive colaboração. Analise se o evento será interno ou externo, e se externo, se será aberto à parceiros de negócio e startups já constituídas. Defina claramente as regras do jogo, a infraestrutura de tecnologia a ser disponibilizada, os critérios de julgamento e as premiações. Importante também deixar claro as regras de propriedade intelectual. Se for um evento interno, as ideias geradas serão da empresa ou dos funcionários que as criaram? Para eventos externos, se você exigir que as ideias serão apropriadas por sua empresa, vai desestimular os empreendedores. Por que eles gerarão ideias para você em troca de pizza? Outra questão: a participação de seus funcionários em hackathons externos.  Existe alguma regra na sua empresa para isso? Acho que vale a pena refletir sobre isso. Recomento ler "Who Owns Hackathon Inventions? ".

Outro ponto que venho observando é que a maioria dos hackathons são criados pelas áreas de TI. Em muitos, os CIOs e demais executivos apoiam, mas não se envolvem e nem participam presencialmente do evento. É um erro. Devem estar presentes, mas não como executivos, mas de maneira informal. Não são "chefes" naquele evento. Muitos também não envolvem outras áreas como marketing e comunicação corporativa. Em hackathons internos é importantíssimo que as equipes não sejam só de TI. Sem os demais envolvidos nos problemas a serem enfrentados, a ideia poderá ser excelente do ponto de vista da TI, mas nula do ponto de vista de usabilidade pela empresa. Aliás, existe uma percepção que hackathons são apenas para desenvolvedores de apps. Por que não podem ser aplicados a outros problemas? Por que não uma cadeia de restaurantes ou uma rede varejista criando um evento que "abra as ideias" para resolução de problemas do dia a dia, como melhorar a experiência de seus clientes? Vale a pena ler o artigo "Hackathons Aren't Just for Coders" para alguns casos interessantes fora do círculo de nerds que desenvolvem código.

Muito importante também o "day after". O hackathon foi um sucesso. E daí? O mais importante do evento é o que acontece depois, com as ideias geradas. Os hackathons do Facebook geram produtos ou funcionalidades que influenciam o desenvolvimento dos produtos atuais. Portanto, reserve budget e recursos para fazer com que as ideias selecionadas saiam da teoria e do código rasteiro para se tornarem palpáveis. Sem condições para tal, o evento torna um fim em si mesmo. Sem o planejamento para o "day after" toda a energia e entusiasmo gerados no evento se dissiparão rapidamente. Repito aqui: hackathon é apenas um evento, em uma jornada contínua de inovação e colaboração da empresa.

Nem sempre um hackathon é a solução. Um exemplo prático. Ajudamos a criar junto com a Embrapa uma competição de startups, chamada de Ideas for Milk. Não é um hackathon, pois o objetivo da competição é gerar negócios lucrativos vinculados a novas startups ou startups em desenvolvimento, com foco em soluções para aumentar a eficiência de um ou mais segmentos da cadeia produtiva do leite no Brasil. Portanto, um evento verticalizado. De maneira geral hackathons são encontros que geram ideias, mas ideias por si não são negócios. Um negócio é o encontro de problemas e ideias para suas soluções. O projeto do Ideas For Milk propõe que problemas identificados especificamente na cadeia do leite sejam desenvolvidos na prática, buscando soluções que gerem negócios sustentáveis e escaláveis. Portanto, os competidores terão que mostrar as comissões julgadoras e aos investidores convidados como sua solução cria valor no processo e como esse valor será percebido pelo usuário. Por isso, buscou-se locais e universidades onde o entendimento dos problemas setor lácteo está mais próximo ao dia a dia dos empreendedores. Nas grandes cidades, mesmo sem ser taxista ou bancário, é mais fácil identificar problemas no uso de táxis e bancos. Surgiram startups como EasyTaxi, 99, Uber e as FinTechs. Mas, provavelmente a maioria das pessoas que mora nas cidades grandes nunca viu uma vaca de perto e nem sabe o que é ordenhar uma. Sem conhecimento do problema, impossível criar soluções! As eliminatórias da competição ocorrerão, portanto, em locais onde a cadeia do leite está bem presente.  O Brasil é um dos principais fornecedores de produtos agropecuários para o mundo e, apesar do seu potencial, o setor ainda carece de tecnologia se comparado ao seu crescimento e a outros países. É um oceano azul de o
[Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2017 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia