Busca: Nossos Servicos: RSS - O quê é isso?
Home do Blog Fabio Cesar

Graduado em Direito e Análise de Sistemas, com MBA em Gestão Empresarial e Especialização em Negociação. Trabalhou por mais de 22 anos no mercado financeiro, exercendo cargos de gestão nas áreas de tecnologia, ouvidoria e relacionamento com Sistema de Defesa do Consumidor. Atualmente é consultor independente e dá aulas de Direito do Consumidor, Atendimento e Ouvidoria.

fabioc.ribeiro@uol.com.br

Você se relaciona com o Procon? Postado em: 06/07/2015

Nestes vários anos de experiência no relacionamento com os Procons de todo o Brasil, observei diversas empresas que se propuseram a realizar esta atividade de interação com os Órgãos de Defesa do Consumidor.

 

Mas será que o que estão fazendo realmente poderia ser chamado de "relacionamento"?

 

Para discutir este tema, nas linhas abaixo vou generalizar como "Procon" o que englobaria todos os Órgãos de Defesa do Consumidor (Defensorias, Promotorias, Órgãos Reguladores, Senacon, Entidades Civis, ou seja, todos os órgãos que compõem o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor).

 

Vejo que algumas empresas somente procuram realizar uma reunião com os Procons quando o seu nível de reclamações está elevado. Será que isto é bem visto pelo Procon?

 

Pense em um colega que somente lhe procurasse quando estivesse com um problema... A sua relação com ele seria saudável? Você gostaria de recebê-lo em sua casa?

 

Também verifico várias empresas que somente se "relacionam" com o Procon por telefone... Ora, os profissionais do Procon interagem diariamente "olho no olho" com o SEU cliente e você vai se relacionar com este funcionário de maneira remota?

 

Por mais que a situação atual seja de "redução de custos" (em algum momento foi diferente?), olhar nos olhos do SEU cliente, ou da pessoa que o representa, é de uma riqueza cujo valor é impossível de se calcular.

 

Posso lhe garantir que vale a pena gastar um pouquinho mais em uma viagem para vivenciar a emoção e os sentimentos de quem todo dia convive com o SEU cliente.

 

Mas tenha consciência de que a cada visita presencial a um Procon você vai sair com algumas "lições de casa". É neste momento que você vai captar (espontaneamente ou não) ações que a sua empresa terá que realizar para tornar a vida do SEU cliente menos incômoda. Assuma estes compromissos de melhorias, concretize-os e não se esqueça de dar a devolutiva ao dirigente do órgão!

 

Já vivi situações em que o Procon somente queria um representante local da empresa para poder encaminhar as demandas, pois a ausência deste agente obrigava o registro de reclamações incrivelmente fáceis de serem resolvidas...

 

Voltando àquela pessoa que você só procura nos momentos difíceis, que tal se ela pudesse lhe fazer o papel de conselheira? Que tal se ela pudesse lhe orientar na tomada de decisões evitando que, involuntariamente, o SEU cliente fosse "machucado" com o lançamento de um novo produto?

 

Todos os Procons do Brasil possuem profissionais com muita experiência (obtida através de uma sólida formação acadêmica ou pelo convívio constante com situações delicadas), e tenho certeza que estas pessoas poderiam contribuir enormemente expressando suas opiniões.

 

Mas isto somente será possível se você estabelecer com o Procon uma parceria fundamentada na confiança e na qual a transparência recíproca seja a conduta diretriz de todo relacionamento.

 

Você concorda ou discorda desta minha reflexão? Gostaria muito que você deixasse a sua opinião no espaço abaixo. Aguardo seu comentário! Obrigado. Abraços.

[Comentar (0)] [Enviar por e-mail] [Regras de Uso]

Compartilhe

Twitter Facebook Linkedin
Deixe seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
máximo caracteres.
 
Arquivo
 
Clientesa.com.br - Blog
Copyright © 2018 - Grube Editorial - Todos os direitos reservados
Powered byCantini Tecnologia